TOYOTA
HILUX SW4
SRV 4.0 V6 4X4

 
 

Sem perder a pose
Preço menor que o dos modelos diesel é um dos atrativos da versão V6 a gasolina da Toyota SW4



Auto Press
Texto: Fernando Miragaya
Fotos: Luiza Dantas/Carta Z Notícias

A Toyota acha que pode ampliar a participação da Hilux SW4 no mercado brasileiro. A montadora finalmente percebeu que perdia terreno – e vendas – por só dispor de modelos turbodiesel do utilitário esportivo médio-grande. Por isso, na carona da reestilização de março deste ano, a marca japonesa tratou de lançar logo duas derivações movidas a gasolina. Além da “inicial” 2.7, de 158 cv, estreou a SRV 4X4 com propulsor 4.0 V6 de 238 cv, agora a mais potente e equipada da linha, mas com um preço mais em conta que os modelos turbodiesel. Desta forma, por R$ 149 mil, se posiciona justamente entre a 2.7 gasolina –  que parte dos R$ 110.400 – e a derivação 3.0 diesel de 163 cv, que começa em R$ 154.100.
O propulsor 4.0 com seis cilindros em “V” e 24 válvulas da SW4 conta com comando que varia a abertura de válvulas. A unidade gera 238 cv a 5.200 rotações e um torque máximo de 38,3 kgfm disponível nas 3.800 rpm – um pouco maior que a do motor 3.0 turbodiesel, que é de 35 kgfm, mas se apresenta em uma faixa plana e mais baixa, entre 1.400 e 3.200 giros. O propulsor V6 trabalha com uma transmissão automática de cinco velocidades, enquanto nas outras versões a caixa é de quatro velocidades.
O conjunto conta ainda com tração permanente nas quatro rodas. O modelo possui opção de engate de tração reduzida, diferencial central autoblocante e diferencial traseiro com escorregamento limitado. A lista de itens de série segue a receita da configuração SRV turbodiesel. O SUV conta com airbag duplo frontal, freios com ABS e EBD, ar automático, direção hidráulica, trio, computador de bordo, banco do motorista com regulagens elétricas, volante com ajuste de altura, retrovisor eletrocrômico, controle de cruzeiro, rebatimento elétrico dos retrovisores, revestimento em couro, alarme e keyless, entre outros.
Na estética, os controversos detalhes em imitação de madeira no interior, faróis de neblina, carcaças dos retrovisores cromadas e rodas de liga leve aro 17. Na linha 2010, a SW4 passou a oferecer também a terceira fila de bancos. Mas o modelo peca em alguns detalhes. O rádio/CD/MP3, por exemplo, tem disqueteira, mas não dispõe de entrada USB nem de conectividade viva-voz Bluetooth. Além disso, o para-sol do motorista não tem espelho. No visual, o face-lift do modelo incorporou faróis angulosos e barras cromadas, que deixaram o utilitário esportivo com aspecto mais robusto.
Só que a SW4 V6 esbarra também no preço. Por R$ 149 mil, fica mais cara que a maioria dos rivais movidos também a gasolina, como o Kia Sorento EX 3.8 V6 – R$ 121.900 –, Hyundai Santa Fe 7 lugares – R$ 118 mil – e Mitsubishi Pajero Sport 3.5 V6 – R$ 109.900. E fica próximo de modelos mais sofisticados, como o Ford Edge – R$ 149.70 –, Volvo XC60 – que começa em R$ 138.500 – e até Land Rover Discovery 4.0 V6, que parte dos R$ 145 mil. Estes oferecem apenas duas filas de bancos, porém têm mais itens de segurança e de conforto por preços próximos.
Desta forma, a SW4 SRV 4.0 V6 responde por 10% das vendas totais do SUV médio da Toyota no Brasil. Um pouco abaixo das expectativas da marca japonesa, que projetava 15% de mix para a nova versão. O que representa módicas 46 unidades mensais dentro da média de 460 unidades/mês que a linha SW4 registra no ano. E que posicionam o modelo bem no meio dos concorrentes, atrás das 638 unidades mensais do Santa Fe e à frente das 237 do Pajero Sport.
Instantâneas
# A Toyota Hilux SW4 é fabricada na planta de Zárate, na Argentina.
# Nos Estados Unidos o SUV recebe o nome de 4-Runner.
# A linha Hilux começou a ser vendida no Brasil em 1992, importada do Japão. Em 1997, começou a ser importada da Argentina.
# A atual geração do utilitário foi lançada em outubro de 2005.
# No Brasil, a Toyota iniciou suas operações em 1958. A produção do jipe Bandeirante começou no ano seguinte, em uma fábrica em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, a primeira planta da Toyota fora do Japão.
# A marca fabrica no Brasil o médio Corolla, em Indaiatuba, em São Paulo.
# A montadora também vende no mercado brasileiro outros dois utilitários esportivos: o RAV4 e o Land Cruiser Prado.
Ficha Técnica
Toyota Hilux SW4 SRV 4.0 V6
Motor: A gasolina, dianteiro, longitudinal, bloco e cabeçotes em alumínio, 3.956 cm³, com seis cilindros em “V”, quatro válvulas por cilindro e comando variável de abertura de válvulas. Acelerador eletrônico e injeção eletrônica multiponto sequencial.
Transmissão: Câmbio automático de cinco marchas à frente e uma a ré. Tração integral nas quatro rodas com diferencial central autoblocante e diferencial traseiro com escorregamento limitado. Não oferece controle eletrônico de tração.
Potência máxima: 238 cv a 5.200 rpm.
Torque máximo: 38,3 kgfm a 3.800 rpm.
Diâmetro e curso: 94,0 mm X 95,0 mm. Taxa de compressão: 10,0:1.
Suspensão: Dianteira independente com braços duplos triangulares, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora. Traseira do tipo four-link, com molas helicoidais e amortecedores hidráulicos. Não oferece controle eletrônico de estabilidade.
Freios: Dianteiros a discos ventilados e traseiros a tambor. ABS e EBD de série.
Pneus: 265/65 R17 em rodas de liga leve.
Carroceria: Utilitário esportivo médio com quatro portas e sete lugares. 4,69 metros de comprimento, 1,84 m de largura, 1,85 m de altura e 2,75 m de entre-eixos. Oferece airbags duplos frontais de série.
Peso: 1.920 kg, com 590 kg de carga útil.
Porta-malas: 900 litros até o teto.
Tanque de combustível: 80 litros.
Capacidade off-road: Ângulo de ataque de 30º, ângulo de saída de 25º e altura livre do solo de 22 cm.
Produção: Argentina.
Lançamento no Brasil: 2005.
Ponto a ponto
Desempenho – O motor V6 se traduz num bom apetite para a Hilux SW4. Basta pisar no pedal do acelerador para o motor roncar e encher rápido. Os 238 cv empurram com vontade o modelo para sair da inércia e alcançar os 100 km/h em 9,6 segundos. As retomadas são eficientes, mesmo com o generoso torque de 38 kgfm disponível só nos 3.800 giros. A performance da SW4 é favorecida também pelo câmbio automático. Apesar de alguns delays entre a terceira e quarta marchas, a caixa é bem melhor escalonada que a de quatro velocidades que equipa o restante da linha. Nota 8.
Estabilidade – As dimensões generosas do utilitário esportivo argentino se fazem perceber. Nas freadas bruscas, o modelo mergulha bastante e nas arrancadas tende a empinar em demasia. Nas curvas, em condução mais agressiva, a carroceria torce e faz menção de rolar. O melhor é dirigir de forma civilizada. Nas retas, a reação das rodas aos comandos do volante começa a ficar lenta aos 150 km/h. Nota 6.
Interatividade – Os ajustes elétricos da versão SRV 4.0 V6 ajudam o motorista a encontrar uma posição boa para dirigir. O volante, por sua vez, tem regulagem de altura limitada e não tem ajuste de profundidade. A ergonomia também é falha, com alguns comandos mal posicionados e pouco intuitivos, como o dos retrovisores elétricos e do computador de bordo, na parte de cima do painel central. A visualização do computador de bordo, aliás, também exige desvios de atenção por parte do motorista. O volante conta com comandos do som e a visibilidade dianteira e lateral são boas, mas a traseira é prejudicada pelas largas colunas. Nota 7.
Consumo – O modelo testado assinalou a pífia média de 5,9 km/l em trecho 2/3 urbano e 1/3 rodoviário. Nota 5.
Conforto – É o ponto forte da SW4. Há espaço de sobra para cabeças e pernas dos ocupantes da primeira e segunda fileiras. Os dois bancos extras atrás, como sempre, são mais recomendados para crianças. A suspensão é bem acertada para os buracos costumeiros das grandes cidades e o isolamento acústico do modelo é eficiente. Mesmo em velocidades acima dos 140 km/h, os barulhos do motor e de rodagem não chegam a incomodar. Nota 9.
Tecnologia – Na reestilização deste ano, o modelo ganhou novo motor e câmbio automático de cinco velocidades. O SUV usa uma plataforma de 2005, o que pode ser considerada nova para estruturas sobre longarinas. Os itens de segurança, contudo, deixam a desejar e o modelo merecia equipamentos como controles de estabilidade e de tração. Também faltam à SW4 mais recursos de entretenimento e de conectividade. Nota 7.
Habitabilidade – Os acessos são complicados devido à altura do modelo. Como todo veículo pensado para os Estados Unidos, há uma fartura de práticos porta-objetos e porta-copos, além de saídas do ar-condicionado para todas as fileiras. O porta-malas de 900 litros – até o teto e com os bancos da terceira fila rebatíveis – chama a atenção. Nota 8.
Acabamento – O couro claro contrastando com o preto do painel confere um ar de requinte ao utilitário esportivo. Os detalhes com imitação de madeira, de gosto duvidoso, são originários do projeto voltado para o público norte-americano, que adora tal revestimento. No mais, a SW4 usa materiais que aparentam qualidade e são agradáveis ao toque e aos olhos. Os fechamentos e encaixes têm ótima precisão e não há qualquer sinal de rebarbas. Nota 7.
Design – A Hilux SW4 já tinha um visual imponente e conseguiu ganhar ainda mais robustez com o face-lift deste ano. Apesar de ter basicamente o mesmo estilo desde 2005, os designers efetivamente rejuvenesceram o modelo. Mas o resultado estético está longe de ser unanimidade. Nota 7.
Custo/benefício – Ao preço de R$ 149 mil, a SW4 4.0 V6 fica mais cara que a grande maioria de seus rivais e até que modelos mais sofisticados, como Discovery, Edge e XC60. Nota 6.
Total – A Hilux SW4 SRV 4.0 V6 obteve 70 pontos em 100 possíveis.
Impressões ao dirigir - Fôlego extra
Ao arrancar com a Hilux SW4 V6 já se percebe que o modelo tem bastante disposição. Os 238 cv empurram de forma até ágil o utilitário esportivo argentino de quase 2 toneladas e as arrancadas são eficientes. O zero a 100 km/h é feito em interessantes 9,6 segundos. Colabora para isso a transmissão automática de cinco velocidades. Bem escalonada, ela minimiza delays – há apenas um pequeno buraco entre a terceira e a quarta – e otimiza o desempenho. Principalmente nas horas das ultrapassagens e retomadas, quando o torque de 38 kgfm trata de emprestar força de sobra ao veículo.
Basta pisar mais fundo e alcançar a máxima de 180 km/h. Mas, antes disso, o modelo passa a mostrar algumas falhas. Nas arrancadas é possível perceber a frente levantar além da conta. Já aos 150 km/h, o modelo começa a flutuar. Nas curvas acentuadas e em velocidades altas, a carroceria torce bastante, enquanto nas freadas bruscas, o ABS e EBD ajudam a manter a SW4 na trajetória, mas o utilitário acaba por embicar demais a frente.
Ou seja, a SW4 é um veículo para se andar mansinho e curtir sua grande virtude: o conforto. Motorista e ocupantes da segunda e terceira filas de banco têm ótimo espaço para pernas e um generoso vão para cabeças. Na fila do meio, três adultos viajam com sobras, mas a terceira fila é mais apropriada para receber duas crianças. Além disso, há uma infinidade de porta-objetos e porta-copos, a suspensão absorve bem as irregularidades da pista e o isolamento acústico se mostra eficaz, mesmo em velocidades altas.
Na parte de ergonomia, o utilitário esportivo deixa a desejar. Alguns comandos exigem desvio de atenção do motorista. O computador de bordo, mal posicionado no alto do painel central, também é de difícil visualização e manuseio. A retrovisão é prejudicada pelas largas colunas e o modelo não oferece sensor de obstáculos, o que complica na hora de estacionar um veículo grandalhão como a SW4. O consumo também não se mostrou nem um pouco amigável. O modelo avaliado fez a média de 5,9 km/l, em uso 2/3 na cidade e o restante na estrada.



COMPARATIVO:
NOVO CITROËN C3 1.5L
FORD NEW FIESTA 1.5L

RENAULT DUSTER 4X4
SUV FORTE
NOVO FUSCA AUTOMÁTICO
MERCEDES-BENZ
S63 L AMG

LAND ROVER
DISCOVERY 4 HSE

FIAT PALIO
ATTRACTIVE 1.4

LAND ROVER
RANGE ROVER EVOQUE
PRESTIGE TECH PACK

MITSUBISHI LANCER
EVOLUTION X

LEXUS IS300
RX350 E LS460L

CHEVROLET S10
LTZ CD 4X4

CHEVROLET SONIC
LTZ SEDÃ

CITROËN C3
TENDANCE 1.5

VOLKSWAGEN FUSCA
BMW 335I
CHEVROLET ONIX 1.4 LTZ
FIAT PUNTO T-JET
AUDI Q3
HYUNDAI HB20 PREMIUM
FORD ECOSPORT
TITANIUM 2.0

RENAULT DUSTER
DYNAMIQUE 1.6

CHEVROLET CRUZE
SPORT6 LTZ

LAND ROVER
RANGE ROVER VOGUE

RENAULT CLIO
RENAULT DUSTER
DYNAMIQUE 2.0 4X4

CHEVROLET SPIN LTZ
AUTOMÁTICA

NOVO A4
AMBIENTE 2.0 TFSI

FIAT CINQUECENTO
CULT 1.4 8V

BMW 118I SPORT
TOYOTA ETIOS XS 1.3
KIA OPTIMA
CITROËN DS3
HONDA CR-V EXL
NOVO LEXUS LS 460 L
NOVO FORD ECOSPORT
SSANGYONG KORANDO
NISSAN MARCH SR 1.6
MCLAREN MP4-12C
MITSUBISHI L200 TRITON
AUDI Q3
PEUGEOT 508 1.6 16V THP
HONDA CIVIC LXS
PEUGEOT RCZ
NISSAN VERSA SL
KIA OPTIMA
JAC MOTORS J5
FORD NEW FIESTA HATCH
NOVO HONDA CR-V
AUDI RS3
NISSAN MARCH 1.0 S
PEUGEOT 308
CHEVROLET COBALT
TOYOTA PRIUS
KIA PICANTO
BMW 550I
CHEVROLET CRUZE LTZ
PUNTO ESSENCE
1.6 DUALOGIC

LAND ROVER
FREELANDER 2 HSE

AUDI A3 SPORT
FIAT BRAVO
ABSOLUTE 1.8 16V

NOVO KIA SPORTAGE
PEUGEOT 3008 GRIFFE
CITROËN
C4 PICASSO

PICK-UP
VOLKSWAGEN AMAROK

FIAT PUNTO
SPORTING
1.8 16V E-TORQ

VOLKSWAGEN
SAVEIRO CROSS

AUDI Q5
2.0 TFSI AMBIENTE
QUATTRO S-TRONIC

TOYOTA COROLLA
GLI 1.8 16V
AUTOMÁTICO

SMART
FORTWO COUPÉ

AUDI A6
3.0 V6 TFSI

TOYOTA
HILUX SW4
SRV 4.0 V6 4X4

FIAT 500
LOUNGE 1.4 16V

JEEP
GRAND CHEROKEE
LIMITED 3.0 V6 DIESEL

CHEVROLET
AGILE LTZ 1.4

MERCEDES-BENZ
CLC 200 KOMPRESSOR

CITROËN C4
HATCH GLX
1.6 16V FLEX

CITROËN C6
EXCLUSIVE
AUTOMATIQUE
3.0 V6

RENAULT SANDERO
AUTHENTIQUE
1.0 16V FLEX

HONDA CITY
EXL 1.5
AUTOMÁTICO

AUDI A5
3.2 V6 FSI

NISSAN
GRAND LIVINA SL 1.8
FLEX AUTOMÁTICO

VOLKSWAGEN
EOS 2.0 TSI

FIAT UNO
MILLE ECONOMY

BMW X6
xDRIVE 35i

AUDI A3
SPORTBACK 2.0
TFSI S-TRONIC

NISSAN TIIDA
SL 1.8 16V
FLEX AUTOMÁTICO

CHEVROLET
PRISMA MAXX
1.0 8V VHCE FLEX

FIAT PALIO
ELX 1.4 8V FLEX

NISSAN LIVINA SL
1.8 16V FLEX
AUTOMÁTICO

HONDA FIT
EXL 1.5
AUTOMÁTICO

VOLKSWAGEN
AMAROK
HIGHLINE TDI

CHEVROLET
MALIBU LTZ

CITROËN C3
AIRCROSS

PEUGEOT HOGGAR
ESCAPADE 1.6 16V

CHEVROLET
CAPTIVA SPORT
ECOTEC 2.4 16V

VOLKSWAGEN
SPACEFOX
SPORTLINE 1.6

DODGE
JOURNEY R/T

LAND ROVER
RANGE ROVER
4.4 TDV8 DIESEL

AUDI A8
4.2 V8 FSI QUATTRO

FIAT UNO
ATTRACTIVE 1.4
FIRE EVO

FIAT LINEA
ABSOLUTE1.8 16V
E.TORQ DUALOGIC

CITROËN C3
AIRCROSS
EXCLUSIVE 1.6 16V

LAND ROVER
RANGE ROVER SPORT
HSE 3.0 V6
BITURBODIESEL

FIAT UNO
WAY 1.0

CHEVROLET
MONTANA
SPORT 1.4

JEEP
GRAND CHEROKEE LAREDO

FIAT IDEA
ESSENCE 1.6
16V E.TORQ

AUDI A5
SPORTBACK

FIAT DOBLÒ
ADVENTURE
1.8 LOCKER

TOYOTA COROLLA
2.0 16V DUAL VVT-I

VOLKSWAGEN
JETTA VARIANT
2010

NISSAN SENTRA
SEL 2.0 FLEX CVT

LAND ROVER
FREELANDER HSE

VOLKSWAGEN
SAVEIRO CROSS 1.6

MERCEDES-BENZ
SLK 200 K SPORT

VOLKSWAGEN
PASSAT CC

JEEP
CHEROKEE LIMITED

VOLKSWAGEN
CROSSFOX
1.6 TOTALFLEX

FIAT BRAVO
HYUNDAI IX35
MINI COOPER S
SUZUKI SX4
NOVO FIAT UNO
NISSAN MICRA
TAC STARK
BMW 135 Ci
RENAULT SYMBOL
FORD EDGE SEL

 

2004–2013 © Coisas de Agora. Todos os direitos reservados.